Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
Notícia
Dia do Biomédico é comemorado na Bahiana
A iniciativa contou com muitas discussões e interatividade.
O terceiro ano de comemorações na Bahiana em homenagem ao Dia do Biomédico foi marcado por muitas discussões e interatividade. O evento aconteceu no dia 20 de novembro, das 8h às 18h, no Campus Cabula da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, e contou com palestras, atividades recreativas, esportes e stands das ligas acadêmicas. O estudante do 8º semestre do curso de Biomedicina da Bahiana João Ricardo Filho foi um dos organizadores do evento e revela que “desde o primeiro ano, a organização é gerida pelos alunos”.
 

Ricardo Filho, que, atualmente, é o presidente do Diretório Acadêmico de Biomedicina, ainda destaca que o enfoque maior está nas atividades de lazer por se tratar de uma data comemorativa: “São atividades lúdicas, com brincadeira e dança, que visam oferecer aos estudantes um momento de relaxamento e descontração dentro do ambiente acadêmico”.

A abertura da ocasião foi realizada pelos estudantes João Ricardo Filho e Marina Cucco, aluna do 7º semestre e uma das organizadoras do evento. A mesa-redonda foi composta pelos professores da Bahiana: Paula Schons Vieceli, Amâncio Souza, Sidney Santana e Arthur Gomes, que debateram “O uso recreativo e medicinal dos canabinoides”. Após as explanações, o público participou ativamente, tirando suas dúvidas e fazendo ponderações.
 
     

Durante as discussões, o professor Amâncio Souza pontuou que era de responsabilidade do biomédico produzir as evidências sobre os efeitos medicinais da maconha na sociedade e que, por isso, o profissional da área era tão significativo nos âmbitos investigativo e científico. Já a professora Paula Vieceli ressaltou que o biomédico possuía um papel importantíssimo, principalmente, na pesquisa laboratorial, pois, a partir dessa função, poderia demonstrar os efeitos benéficos e maléficos dos canabinoides. A professora concluiu que eram necessárias muitas pesquisas, pois o tema ainda era escasso em estudos conclusivos.
 
À tarde, a atividade denominada “Museu das ligas acadêmicas” abordou temática sobre anemia falciforme. O professor Sidney Santana mediou a atividade de massoterapia para os alunos. Além dessas ações, os graduandos desfrutaram de aulas de fit dance e de jogos, como futebol de salão e guerra de cotonete.
 
     

O professor Geraldo Ferraro, coordenador do curso de Biomedicina da Bahiana, esteve presente e ofereceu suporte logístico para a realização da inciativa. Quanto ao momento, o coordenador considera ser uma oportunidade para buscar espaço, já que a Biomedicina como profissão ainda é considerada nova: “Por isso selecionamos temas de relevância na área para serem abordados nessa confraternização entre alunos e professores”.
 
“O Dia do Biomédico, na Bahiana, tem uma grande importância por integrar os alunos dos diferentes semestres do curso por meio das atividades propostas pelas ligas acadêmicas, pela atlética e pelo Programa de Educação Tutorial (PET). Além disso, é um momento de descontração durante o nosso calendário acadêmico tão denso, ainda mais em fim de semestre!”, descreve Murilo Assis, estudante do 6º semestre de Biomedicina, integrante do PET e da atlética de Biomedicina, ao expressar o quanto ficou satisfeito de ter participado do evento.
 

As fotos publicadas nesta matéria são de autoria do Diretório Acadêmico de Biomedicina da Bahiana.